PKD - Doença do Rim Policístico

22/11/2011 17:23

PKD - Doença do Rim Policístico em Felinos

A “Doença do Rim Policístico ou PKD (do inglês “Polycystic Kidney Disease”) é caracterizada pelo surgimento de cistos no rim, causando disfunção renal. A formação dos cistos ocorre ainda no período gestacional, porém estes aumentam de tamanho com o passar do tempo, e podem variar de 1 mm a 1 cm de diâmetro. Normalmente animais mais velhos apresentam cistos maiores e em maior quantidade que animais mais jovens.

                                                                                    

                                                                                   Diferença entre rim saudável e doente.

 

Alguns dos sintomas clínicos da doença são: depressão, perda ou redução do apetite, sede demasiada, micção excessiva e perda de peso. Os problemas começam com o crescimento dos cistos, que causam disfunção renal, levando, finalmente, à falência renal. O diagnóstico pode ser feito de maneira nada agressiva, por meio de ultra-sonografia, ou através de exames de DNA. Aos 10 meses de idade o exame anatômico chega a 98 % de acurácia, quando realizado por veterinário experiente. Os exames de DNA são geralmente realizados em gatos com 8 a 10 semanas, e têm 100% de confiabilidade, em qualquer idade.

Em termos genéticos, a patologia possui penetrância incompleta e expressividade variável, o que faz com que gatos de idades diferentes possam desenvolvê-la em graus variados, embora seja mais comum que seu aparecimento ocorra entre 3 e 10 anos, geralmente em torno dos 7 anos. A herança é autossômica dominante (o que significa que sempre que um filhote desenvolver os cistos, um de seus pais também apresentará a mutação), e que esta se expressa tanto em homozigose quanto em heterozigose. Entretanto, acredita-se que a maioria dos embriões homozigotos (portadores dos dois cromossomos com o gene contendo a mutação, um derivado do pai e um da mãe) seja abortada ainda no começo de seu desenvolvimento, ou que morra em poucas semanas. Estudos com camundongos e outros animais indicam que a falta da proteína que é produzida pelo gene afetado (PKD1) causa diversos problemas no desenvolvimento do embrião, por estar associada com a morfogênese do mesmo. Portanto, espera-se que a grande maioria dos gatos portadores da PKD possua um alelo normal (forma selvagem do gene) e um alelo alterado (forma contendo a mutação). A mutação faz com que a proteína não seja inteiramente sintetizada (apenas cerca de 75% dela é construída), tornando-a não-funcional.

Alguns estudos mostram que uma interação poligênica pode estar envolvida na penetrância incompleta da PKD. Estudos familiares precisam ainda ser desenvolvidos para que um panorama mais conclusivo seja obtido. Entretanto, como em humanos são observadas outras formas da doença do rim policístico, de herança autossômica recessiva e poligênica, não se pode descartar que em casos mais raros outro tipo de herança esteja envolvida na transmissão familiar em felinos.

Como qualquer doença genética, a PKD não tem cura. Tratamentos paliativos e preventivos podem ser realizados para melhoria da qualidade de vida do animal. Dietas balanceadas, e água em abundância são recomendadas. 

Estima-se que cerca de 35% dos Persas sejam portadores do gene para PKD. Todas as raças derivadas ou portadoras de linhagens de sangue do persa (ex: Himalaio, Exótico, Sagrado da Birmânia, Selkirk, Pêlo Curto Britânico, Pêlo Curto Americano e Scottish Folds), bem como o próprio Persa, apresentam maior propensão à doença (prevalência estatística). Filhotes destas raças devem preferencialmente apresentar exames negativos para PKD, que indiquem ausência da mutação. Apesar desta prevalência, outras raças também podem apresentar o alelo mutado (Siameses e American Curls), além dos SRDs (sem raça definida), mas segundo especialistas não se justificam exames dispendiosos.

Gatos que possuem o alelo mutado devem ser retirados de programas de reprodução dos criadores. Embora o manejo seja facilitado pela herança da doença ser autossômica dominante (o que significa que todo portador desenvolve a patologia), os exames para certificação dos padreadores devem ser iniciados antes da idade reprodutiva do animal, e devem ser preferencialmente feitos por meio de análises de DNA, pois cistos muito pequenos podem passar desapercebidos nos exames morfológicos, gerando falsos-negativos. A penetrância incompleta da patologia pode fazer com que um gato seja usado como padreador em uma criação durante anos antes que seja diagnosticado com a doença do rim policístico.


Crie um site com

  • Totalmente GRÁTIS
  • Design profissional
  • Criação super fácil

Este site foi criado com Webnode. Crie o seu de graça agora!